OFERECIMENTO:
Montenegro - Segunda-Feira, 10 de Abril de 2017 - Hora:15:29

Adiada decisão sobre instalação de pedágio na Tabaí/Canoas

Mobilização contrária à concessão pode impedir pedágio na BR 386

Nenhum representante do Vale do Caí participou da reunião do grupo de trabalho que está discutindo alternativas /Sabrina Dias/ST

A decisão final se a BR 386 seria ou não concedida à iniciativa privada, com a instalação de praças de pedágio, seria tomada na última sexta-feira, 31 de março. Entretanto, devido à pressão de lideranças e comunidades, principalmente do Vale do Taquari, durante as audiências públicas, a definição foi adiada por mais três semanas. Neste período um grupo de trabalho vai discutir alternativas à proposta de concessão.

Em razão da mobilização contra o modelo proposto de pedágio, há forte possibilidade de o projeto de concessão não sair do papel. Conforme o deputado federal Jerônimo Goergen (PP), que esteve reunido com o diretor-geral da Agência nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos, e o prefeito de Lajeado, Marcelo Caumo, foi informado que o órgão poderá desistir do processo por considerar que há uma grande contrariedade na sociedade gaúcha por conta do alto custo das tarifas. No pedágio de Montenegro, perto da divisa com Nova Santa Rita, a tarifa seria de 7 reais na ida e mais R$ 7 na volta. Em outras três praças da BR 386 o valor seria ainda mais elevado, fazendo com que num treco de 200 quilômetros o custo chegasse a cerca de 70 reais.

Formado por representantes dos conselhos regionais de desenvolvimento, ANTT, Ministério dos Transportes e da Secretaria Estadual dos Transportes, o grupo de trabalho teve a sua primeira reunião já na última quinta-feira, em Porto Alegre. E logo na abertura, assim como fez na audiência pública em Montenegro, o secretário de transportes do Estado, Pedro Westphalen defendeu a concessão das rodovias federais, entendendo que não existe outra alternativa para fazer melhorias. “Não se consegue mais andar na BR 386. E se não fizer a concessão nessa estrada não se faz nada então”, declarou, considerando que é uma emergência. Já o consultor técnico do Sindicato das empresas de transporte de cargas e logística do Estado, João Pierotto, salientou que a posição do sindicato sempre foi favorável às concessões, desde que tenham tarifas justas que não onerem mais os custos de produção e transporte. O gerente de rodovias do Ministério dos Transportes, Marcelo Fonseca, que apresentou o projeto em Montenegro, admitiu que pode ser construída uma proposta melhor, com tarifas mais adequadas e antecipando a execução de obras.

Conforme o site da Secretaria dos Transportes participaram da primeira reunião do grupo de trabalho representantes da secretaria, ANTT, Coredes, associações de municípios, prefeitos e demais lideranças. Nenhum representante do Vale do Caí estava presente, mesmo que no projeto conste uma praça do pedágio em Montenegro e afetando diretamente a economia da região.

O tema continuará em discussão e os trabalhos de análise devem ser concluídos em aproximadamente 30 dias. Deverão ser consideradas as manifestações colhidas nas audiências públicas, site da ANTT e do grupo de trabalho, para então o Ministério dos Transportes tomar a decisão final.

OFERECIMENTO:

colunas e blogs

o Vale quer saber

Quem está ganhando a guerra contra o crime na região?
Criminosos
Policia


Escritrio Comercial S. S. do Ca:
Avenida Dr. Bruno Cassel, 179
Fone / Fax: (51) 3635-1900

Escritrio Comercial Montenegro:
Rua Oswaldo Aranha, Via Verde, 1467
Fone / Fax: (51) 3632-9680

Administrao:
Rua Fato Novo, N 11
Fone / Fax: (51) 3635-1428

Contato
Todos os Direitos Reservados | Jornal Fato Novo | Vale do Ca | RS | Por Nigma Agncia Digital