OFERECIMENTO:
Pelo Vale - Sexta-Feira, 19 de Abril de 2013 - Hora:18:07

Governador e ministro vão sobrevoar a área do futuro aeroporto do Vale do Caí

Do super aeroporto partirão voos diretos para China, Austrália, Nova ZeLãndia e Coréia do Sul, passando pelo Polo Sul

Tarso Genro e Moreira Franco vão sobrevoar a área do futuro aeroporto
Ontem à tarde o governador Tarso Genro recebeu o Comitê Pró-Aeroporto Internacional 20 de Setembro. Na ocasião, o  projeto foi apresentado pelo seu coordenador, padre Marcelo Fernandes de Aquino, que é o reitor da Unisinos.

O aeroporto será construído entre os municípios de Nova Santa Rita e Portão, próximo a Capela de Santana,  e será o segundo maior do Brasil, perdendo apenas para o de Brasília.

A área onde o aeroporto  será construído foi declarada de utilidade pública pelas prefeituras das duas cidades e tem 25 quilômetros quadrados. O prefeito de Capela, Nestor Bernardes, já ofereceu área no seu município, se for necessária uma ampliação ou melhor localização do aeroporto.

A área já escolhida é seis vezes maior que a do Aeroporto Internacional Salgado Filho, que tem 3,8 quilômetros quadrados e, por estar cercado pela cidade, oferece riscos e não tem boas possibilidades de ampliação. O projetado aeroporto 20 de Setembro ficará a apenas 18 quilômetros de Porto Alegre (pela via expressa Rodovia do Parque) e mais próximo das regiões mais industrializadas do estado, que são os vales do Gravataí, Sinos, Caí e Taquari, além da Serra Gaúcha.

A área do aeroporto está totalmente localizada na região do Vale do Caí, que é uma das mais dinâmicas do estado no comércio exterior, contando com as maiores empresas importadoras e exportadoras do Rio Grande do Sul e, também, o Polo Petroquímico.

Segundo o padre Marcelo Aquino, “O Rio Grande do Sul vai se tornar um cluster de alta tecnologia e o aeroporto vai contribuir muito para isso. Será o portal entre Brasil e Ásia”.  Será possível uma linha direta do aeroporto 20 de Setembro para a Austrália colocando o projetado aeroporto na rota de conexão entre os países do bloco denominado BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) que, em 2030, representará 55% da economia mundial. Para fazer essa ligação com menor custo e em menor tempo, os aviões passarão por sobre a Antártida (Polo Sul).

Na sua fase inicial, o aeroporto terá duas pistas. Uma de 3.200 e outra de 2.700 metros, com mais de um quilômetro de distância entre elas. Isso permite que sejam realizados, simultaneamente, pousos e decolagens e, com essas condições o aeroporto poderá operar com os modernos superaviões cargueiros. O que vai diminuir  muito o custo do frete aéreo. Atualmente, muitas empresas gaúchas mandam suas cargas primeiro para São Paulo, onde é feita baldeação para um outro avião que leva a carga para o seu destino no exterior.

Formada a linha direta do Rio Grande do Sul para a Austrália, ela diminuirá custos, além de agilizar, nas exportações para outros paises importantes como a Coréia do Sul e o Japão. As empresas exportadoras e importadoras do estado terão enorme benefício e a região do Vale do Caí se tornará ainda mais atrativa para a atração de empresas.

Na próxima segunda-feira, o governador se reunirá com o ministro-chefe da Secretaria da Aviação Civil, Moreira Franco, e os dois sobrevoarão a área do futuro aeroporto e a região do seu entorno.


OFERECIMENTO:

colunas e blogs

o Vale quer saber

Não há enquetes disponíveis para votação no momento


Escritório Comercial S. S. do Caí:
Avenida Dr. Bruno Cassel, 179
Fone / Fax: (51) 3635-1900

Escritório Comercial Montenegro:
Rua Oswaldo Aranha, Via Verde, 1467
Fone / Fax: (51) 3632-9680

Administração:
Rua Fato Novo, Nº 11
Fone / Fax: (51) 3635-1428

Contato
Todos os Direitos Reservados | Jornal Fato Novo | Vale do Caí | RS | Por Nigma Agência Digital