OFERECIMENTO:
Quinta-Feira, 14 de Novembro de 2013 - Hora:09:16

Marrocos, um lugar de sonhos e joias

A Medina é um espetáculo para os olhos e talvez uma oportunidade única para se comprar joias a excelentes preços

A Medina de Fès, com suas 10 mil ruelas, é visita obrigatória.

O Marrocos é um país de sonhos; o lugar remete o visitante ao mundo das fábulas, das histórias dos reinados das mil e uma noites com suas danças e comidas exóticas. A região ganhou muita notoriedade aqui no Brasil quando foi exibida a novela “O Clone”. Uma parte da trama de Glória Perez foi ambientada naquele país e assim o Brasil pôde ter contato com alguns lugares quase nunca vistos na televisão e com sua cultura e religião milenares.

Para se chegar ao Marrocos é preciso pegar um avião no Brasil, fazer uma escala em Madrid ou em Lisboa, e dali seguir até a famosa cidade, considerada a porta de entrada para o Oriente. Dividido por uma imponente cadeia de montanhas, aquele país revela paisagens exóticas e diversificadas. Ao Norte, o clima é mais ameno, tem florestas, montanhas e praias. Já a região Sul, a população é de mais baixa renda, tem praias e areia, mas muita areia mesmo. É o quente e misterioso Deserto do Saara.

Dizer que o lugar é exótico é pouco. Por ali correm lendas e mais lendas; histórias contadas de pai para filho dão conta de que mulheres são roubadas ou se oferecem "uma caravana de cem camelos" por uma mulher, principalmente as estrangeiras. Tudo isso é dito com muito bom humor pelos milhares de vendedores da cidade, que fazem literalmente tudo para que o freguês adquira sua mercadoria. É bom lembrar que pechinchar é a palavra de ordem. 

Um lugar bastante conhecido é a Medina. A Medina é um conjunto de ruelas, que fica na parte antiga da cidade, que formam verdadeiros labirintos onde é muito fácil se perder. Ali se concentra todo o comércio; na Medina se encontra de tudo, desde ervas para o tradicional chá até ouro. Isso mesmo, ouro, que é vendido como qualquer outra mercadoria. Quantos aos ladrões, eles são severamente punidos pela lei muçulmana: têm a mão direita decepada, daí ficam marcados para sempre e nem se atrevem a aparecer.

E quem rouba não escapa impune por isso o comércio dos produtos se dá com “naturalidade”, digamos assim.

O Marrocos além de reunir montanha, mar e deserto, oferece aos visitantes um inusitado visual de frutas, roupas e mosaicos. Muitos costumes, seguidos há séculos, são o passaporte garantido para o passado, como o tradicional chá de menta, bem doce, que equivale ao nosso cafezinho e é responsável pela aproximação e confraternização social. É esta famosa bebida que coroa uma das práticas mais tradicionais: a negociação.

Tudo o que se compra, tem que ter negociação no preço. Claro que os vendedores dizem o primeiro preço das mercadorias um pouco maior do que o real, daí começa a barganha. E como eles gostam disso!

A rede de hotéis e restaurantes não deixa nada a desejar. Também as estradas e ferrovias são bem conservadas, facilitando o acesso.

A capital do Marrocos é Rabat, que sedia o Palácio Real; construído em 1755, é sede do governo do Rei Mohammed VI. Chegando lá é preciso visitar a Kasbah Oudaias, que foi construída no Século XIII, acima do ponto onde o Rio Bou Regreg, que separa Rabat de Salé, se encontra com o mar.

Sem dúvida, a mais famosa das cidades imperiais é Fès, capital artesanal e cultural do país. Na verdade, o lugar é constituído por três cidades. Fès el-Bali, fundada no Século VIII e que integra o patrimônio histórico da UNESCO; Fès el-Jadid; e a Cidade Nova.

A Medina de Fès, com suas 10 mil ruelas, é visita obrigatória. A volta ao tempo é garantida. É emocionante penetrar e seu interior e mergulhar na profusão de cores, aromas e sons. Prepare-se para grandes emoções e não é um passeio que se pode fazer com pressa e nem em um dia só.

Marrakech é considerada a capital do sul do Marrocos; fundada em 1602, seu nome significa "passe rápido que o sol se põe", um aviso aos viajantes para que passassem rápido pela cidade que tem 15 quilômetros de muralhas, antes do fechamento das vinte portas. Assim estariam seguros dos ataques dos bandidos. Uma das atrações por lá é o Palácio Bahia.

A comida marroquina é famosa por seus temperos. E nenhuma destas iguarias ficou mais famosa do que o Corne de Gazelle, que na verdade é um doce típico daquela região, um tipo de pastelzinho feito com massa de semolina, recheado normalmente de nozes e tâmaras e frito em óleo quente. Famosíssimo também é o Cuscus Marroquino, cuja mistura para o preparo pode ser encontrada, no Brasil, nas casas de produtos importados.

Para garantir o sucesso de uma excursão pelo Marrocos, é melhor optar por um dos inúmeros pacotes turísticos oferecidos pelas agências de viagem. O turista brasileiro não precisa de visto em seu passaporte para entrar no Marrocos. Somente as mulheres deverão ter certo decoro com as roupas, não é preciso que cubram as cabeças com o véu, mas é bom evitar shorts ou saias muito curtas. Vale a pena o sacrifício!

Neve em Marrocos?
Quando se pensa em Marrocos, a primeira coisa que vem à cabeça, não é certamente o poder fazer ski. Mas é verdade que existem várias sugestões para poder esquiar no país.
Oukaimeden é uma das estações de ski em Marrocos. É o ponto mais alto (para ski) de África, a 3200m acima do mar, e fica muito perto de Marrakech (a cerca de 70 quilometros). As condições favoráveis para a prática de ski em Oukaimeden podem variar. A quantidade de neve também influencia a abertura, ou não, das pistas mas, à partida, poderá fazer ski em Oukaimeden entre os meses de Dezembro a Abril.

colunas e blogs

o Vale quer saber

Quem está ganhando a guerra contra o crime na região?
Policia
Criminosos


Escritório Comercial S. S. do Caí:
Avenida Dr. Bruno Cassel, 179
Fone / Fax: (51) 3635-1900

Escritório Comercial Montenegro:
Rua Oswaldo Aranha, Via Verde, 1467
Fone / Fax: (51) 3632-9680

Administração:
Rua Fato Novo, Nº 11
Fone / Fax: (51) 3635-1428

Contato
Todos os Direitos Reservados | Jornal Fato Novo | Vale do Caí | RS | Por Nigma Agência Digital