OFERECIMENTO:
Brochier - Sexta-Feira, 13 de Maio de 2016 - Hora:15:14

Moradora reclama que transporte escolar não pega seus filhos em casa

Prefeitura garante que a medida está dentro da lei e não pode abrir exceções

Antony e Rhyan precisam caminhar até o ponto de embarque Foto:Julia Graciele Oliveira/Divulgação

Julia Graciela Oliveira mora na estrada que é continuidade da Rua Alberto Neis, em Brochier, e reclama do atendimento do transporte escolar para seus dois filhos, Antony, de seis anos, e Rhyan, quatro anos. Segundo ela, a van que leva os meninos para a escola e creche passa a um quilômetro de sua casa. “É uma estrada sem pavimentação, com mato fechado dos dois lados, um perigo”, aponta. Ela acrescenta que quando chove os problemas aumentam na estrada de terra. “E aqui é área urbana, nem sei como não arrumam esta estrada”, indaga.

Julia diz que já procurou o prefeito e a secretária da Educação para tentar resolver o problema, mas não obteve sucesso. “Outro dia deixaram meu pequeno de quatro anos bem antes do horário normal e ele vinha sozinho a pé quando o encontrei no caminho”, denuncia. Ela está desempregada e afirma que situação a impede de buscar um emprego. “Eu preciso levar e buscar as crianças no ponto de embarque, e isto me tira o tempo que poderia estar trabalhando”, justifica.


“Dentro da lei”
A secretária da Educação de Brochier, Mariete Lucas Marques, confirma que foi procurada por Graciele. Segundo ela, as crianças moram a menos de dois quilômetros da escola. “E por lei, nem teriam direito ao transporte escolar, mesmo assim eles usam a van que faz a linha na área urbana”. Mariete contesta ainda a distância apontada por Julia. “Ali não passa de 600 metros de caminhada”, aponta. A secretária diz que se a van fosse até a casa de Julia pegar os meninos, teria que andar mais um quilômetro para manobrar, e isto atrasaria a viagem, prejudicando os demais alunos. Mariete garante que há várias crianças na mesma situação e que não tem como buscar todos em casa. “Seria inviável para o município atender a todos em domicílio”.

A secretária da Educação informou ainda que advertiu o motorista da van que deixou o filho mais novo de Julia no local antes do horário. “Eles sabem que precisam entregar a criança a um responsável. Assim também pedimos aos pais para sempre estarem nos locais de desembarque para não provocar espera e atraso nas viagens”, completa Mariete.

OFERECIMENTO:

colunas e blogs

o Vale quer saber

Não há enquetes disponíveis para votação no momento


Escritório Comercial S. S. do Caí:
Avenida Dr. Bruno Cassel, 179
Fone / Fax: (51) 3635-1900

Escritório Comercial Montenegro:
Rua Oswaldo Aranha, Via Verde, 1467
Fone / Fax: (51) 3632-9680

Administração:
Rua Fato Novo, Nº 11
Fone / Fax: (51) 3635-1428

Contato
Todos os Direitos Reservados | Jornal Fato Novo | Vale do Caí | RS | Por Nigma Agência Digital