OFERECIMENTO:
São Sebastião do Caí - Sábado, 02 de Setembro de 2017 - Hora:08:00

Mumuni: um imigrante que joga no Conceição

No Caí, Mumuni não conquistou apenas um emprego mas também o amor de sua companheira Yrlana

/Renato Klein/FN

O time do Conceição começou bem no campeonato caiense de futebol. E um dos destaques da equipe foi o zagueiro Mumuni Kamarudem. Um negro alto, forte e bom de bola.

Com 26 anos de idade, ele já correu o mundo. Nascido e criado na cidade de Acra, capital de Gana, Mumuni era filho de um funcionário do governo de Gana, um homem importante que tinha três esposas. O que é permitido pela cultura e leis locais. Mas seu pai faleceu quando Mumuni tinha onze anos de idade e a família passou a enfrentar dificuldades.

Mesmo assim ele teve acesso à educação, fez o curso de segundo grau, mas o país não oferecia muitas oportunidades de emprego. Chegou a ser profissional do futebol, jogando no time do Big Joe e nas categorias de base da seleção do país.

Sem boas oportunidades de emprego, ele buscou o caminho da emigração. Como era bom jogador de futebol pensou em vir para o Brasil e ganhar dinheiro com o esporte. Mas, ao chegar aqui, em 2015, as portas não se abriram para ele e acabou aceitando a oportunidade que lhe apareceu: a Oderich, onde continua trabalhando como operador de máquinas.

No Caí, ele teve apoio de um grupo de professores caienses que se dispôs a ensinar o português aos imigrantes. Por isso, além de falar, ele aprendeu a ler e escrever em português.

Com o tempo Mumuni foi se ambientando no Caí e o seu talento para o futebol o ajudou a enturmar-se. Jogou pelo time do Matiel e ganhou três medalhas de campeão e vice campeão em campeonatos do município de Pareci Novo e do SESI.

Ele acabou conhecendo uma balconista da loja Taqi chamada Yrlana Machado e se deu bem. Começaram um namoro e hoje vivem juntos, muito felizes. Mas fazem planos para a busca de uma vida melhor.

Yrlana é migrante. Cresceu em Belém do Pará, mas sua mãe é natural da Guiana Francesa. Com isso tanto ela como ele têm parentes que vivem nos Estados Unidos, França, Inglaterra e Alemanha. Eles cogitam de, um dia, buscar vida melhor num desses países.

Enquanto isso Mumuni continua no Caí e, neste domingo, estará jogando pelo Conceição, contra o Guarani no campo do Conceição. A partida inicia às 15h e 30min.


Uma nova fase de imigração

As grandes cidades do mundo costumam ser cosmopolitas. O que quer dizer que nelas vivem pessoas vindas de muitos países estrangeiros.

O Caí, mesmo nunca tenha sido uma grande cidade, já teve a sua fase de cosmopolitismo. Especialmente na virada do século XIX para o século XX, quando atraiu muitos imigrantes europeus, especialmente da Alemanha. Na época, a lingua mais falada na cidade chegou a ser o alemão.

Depois disso o Caí viveu um grande período de pouco crescimento econômico e isto fez com que a vinda de estrangeiros para a cidade se tornou muito rara.

Ultimamente, no entanto, ocorreu uma nova fase de imigração devido ao crescimento das indústrias Oderich e Agrosul. Os novos imigrantes vieram especialmente de países conflagrados da África e do Haiti.

OFERECIMENTO:

colunas e blogs

o Vale quer saber

Não há enquetes disponíveis para votação no momento


Escritório Comercial S. S. do Caí:
Avenida Dr. Bruno Cassel, 179
Fone / Fax: (51) 3635-1900

Escritório Comercial Montenegro:
Rua Oswaldo Aranha, Via Verde, 1467
Fone / Fax: (51) 3632-9680

Administração:
Rua Fato Novo, Nº 11
Fone / Fax: (51) 3635-1428

Contato
Todos os Direitos Reservados | Jornal Fato Novo | Vale do Caí | RS | Por Nigma Agência Digital