OFERECIMENTO:
São Sebastião do Caí - Sábado, 11 de Novembro de 2017 - Hora:08:00

Nem a bandidagem consegue fazer um legítimo empreendedor desistir dos seus sonhos

Trabalhando 14 horas por dia, nos sete dias da semana, o dono do Supermercados RS, na Conceição, progride até na crise

O mercado tem área de estacionamento pavimentada, paisagismo e até um campo para futebol de sete /Renato Klein/FN

Muita gente fala mal dos empresários capitalistas. Dizem que são gente gananciosa que só se interessa em ganhar dinheiro. Dizem que o empresário é egoísta e enriquece à custa dos pobres.

Não é essa, no entanto, a ideia que se tem quando conhecemos um empreendedor de verdade.

Esse é o caso de Roque Poomer, que é dono do Supermercados RS. Vê-se logo que ele pensa grande, pois o s no final da palavra Supermercado indica que o seu objetivo é fazer do seu estabelecimento a primeira loja de uma rede de supermercados.

Roque é natural de Tenente Portela, uma pequena cidade do noroeste do estado e, começou no comércio, no bairro Campina, em São Leopoldo. Ficou por lá nove anos, até que descobriu a oportunidade de mudar o seu negócio para um lugar de possibilidades muito maiores. Ele comprou um pequeno prédio comercial no bairro caiense de Conceição, junto à RS-122, fez reformas no prédio e começou a sua atividade ali há nove anos.

Ele, com a ajuda da esposa e da filha, trabalha no seu supermercado 14 horas por dia, nos sete dias da semana.
A consequência natural de tanto trabalho está acontecendo. O prédio já passou por várias reformas e ampliações, foi criado um amplo espaço pavimentado para o estacionamento de veículos e ajardinamento do terreno à margem da rodovia.

No interior do prédio, o que se vê é um mercado muito limpo e bem equipado, com forte e variado estoque de mercadorias.

Além disso, Roque recuperou uma parte do terreno que sofria grave problema de erosão e, nessa área, implantou um campinho de futebol sete. Brevemente haverá ali um barzinho e serão realizados jogos que vão movimentar não só o bar mas também o mercado.

Além do esforço e visão do seu proprietário e família, o mercado tem movimento porque está situado num local privilegiado.

Dezenas de milhares de veículos passam diante do mercado diariamente e uma parte deles, mesmo que pequena, para ali para comprar uma água mineral, uma carteira de cigarros ou outra mercadoria qualquer.

Ao ver a variedade de produtos existente ali, esses clientes casuais percebem que vale a pena fazer compras no local. E muitas pessoas, mesmo morando em outros municípios, como Bom Princípio e Feliz.


Quatro assaltos a mão armada em nove anos de atividade
Além de competência, o empreendedor Roque Poomer precisou ter coragem para levar adiante o seu supermercado.

Nos nove anos de existência do seu estabelecimento, ele foi assaltado quatro vezes.

Antes ele teve supermercado no bairro Campina, em São Leopoldo, que tem fama de ser muito violento, e nunca foi assaltado.

Quando mudou-se para o Caí, não demorou muito para acontecer o primeiro assalto. Foi no ano de 2013, num sábado. Dois irmãos, membros de uma família vizinha ao mercado, entraram no mercado armados e de cara limpa. Esses foram os únicos presos e condenados.

Em 2015, um homem sozinho, com lenço sobre a boca e boné assaltou dois clientes na fila do caixa.

Em 2016, foi um assaltante solitário usando toca ninja. Ele chegou de moto e haviam muitos clientes no mercado, inclusive crianças. Levou o dinheiro do caixa.

Felizmente, nenhum cliente foi agredido nos casos ocorridos nesses assaltos.

O último assalto, ocorrido nesta terça-feira, aconteceu quando faltavam oito minutos para as oito horas da noite. Roque estava em casa e dois funcionários cuidavam do mercado, que estava com bastante clientes, incluindo mulheres e crianças.

Num dos carros estacionados havia uma mulher com criança no colo e um outro estacionou com uma mulher e duas crianças. Ao perceber o que estava acontecendo, ela saiu correndo pelo acostamento da rodovia. Eram quatro assaltantes e um ficou no carro. Em quatro minutos eles pegaram o dinheiro do caixa mais uma embalagem com garrafinhas de cerveja e fugiram do local.

OFERECIMENTO:

colunas e blogs

o Vale quer saber

Não há enquetes disponíveis para votação no momento


Escritório Comercial S. S. do Caí:
Avenida Dr. Bruno Cassel, 179
Fone / Fax: (51) 3635-1900

Escritório Comercial Montenegro:
Rua Oswaldo Aranha, Via Verde, 1467
Fone / Fax: (51) 3632-9680

Administração:
Rua Fato Novo, Nº 11
Fone / Fax: (51) 3635-1428

Contato
Todos os Direitos Reservados | Jornal Fato Novo | Vale do Caí | RS | Por Nigma Agência Digital