OFERECIMENTO:
Montenegro - Quarta-Feira, 10 de Maio de 2017 - Hora:08:18

Vereador denuncia carne vendida com grama

Fiscalização foi intensificada para combater carne clandestina

Carne sem procedência tem sido apreendida /Polícia Civil/Divulgação

A Vigilância Sanitária, em parceria com a Brigada Militar e a Polícia Civil, tem procurado combater o comércio de carnes sem procedência. Várias operações já foram realizadas, resultando na apreensão de carne e até comerciantes detidos. Isso ajuda também no combate ao abigeato, já que muitos casos de roubo de gado vêm sendo registrados na região e a carne deste crime pode estar sendo comercializado em estabelecimentos comerciais, o que se trata de receptação e coloca em risco a saúde dos consumidores.

É importante a comunidade auxiliar na fiscalização. Qualquer cidadão pode fazer alguma denúncia à Vigilância Sanitária (fone 3632.1113) ou à Brigada Militar (190), quando observar a existência de comércio ilegal de carnes. Isso foi tratado em reunião proposta pelo Vereador Juarez da Silva (PTB) na manhã de segunda-feira, dia 8, na Câmara de Vereadores.

Além do proponente, participaram o presidente do Legislativo, Vereador Neri de Mello Pena (PTB) - “Cabelo”, a Chefe da Vigilância Sanitária, Nutricionista Silvana Schons, e Maria Clara Barreto, representando os pecuaristas.

O vereador Juarez destacou a preocupação com a venda de carne clandestina, fruto de abigeato. Ele disse que já foi constatado em Montenegro carne sendo vendida até com grama, demonstrando que, provavelmente, o gado foi abatido de forma ilegal. A chefe da Vigilância Sanitária, Silvana Schons, disse que apesar de pouca gente, a fiscalização vem sendo intensificada. “De 58 estabelecimentos que vendem carnes, 14 já sofreram alguma autuação, sendo apreendidas mais de 700 quilos de carnes impróprias para consumo”, declarou. Entretanto, existe a preocupação com relação aos finais de semana, quando não existe equipe disponível para a fiscalização.

Sobre as informações da comunidade, Silvana informou que em 2017 o setor recebeu apenas uma denúncia da comunidade. “Estamos indo aos locais onde a Polícia está investigando, e também quando são apresentadas denúncias”, relata. Ela destacou também que está sendo pensado um trabalho educativo, sobre a questão do consumo destes alimentos. “As pessoas precisam se conscientizar quanto aos malefícios à saúde decorrentes do consumo de produtos sem origem”, adverte. Questionada se não vem chamando a atenção da fiscalização o fato de estabelecimentos estarem praticando um preço para a carne bem abaixo dos valores do mercado, Silvana respondeu afirmativamente. Porém, como a estrutura da Vigilância é muito pequena, na prática é difícil se fazer o monitoramento dos preços. “Neste ponto, é fundamental a participação da sociedade, efetuando a denúncia”, pediu a Chefe da Vigilância.

Os Vereadores Juarez e Cabelo sinalizaram que serão parceiros para que possa haver o aumento na estrutura. “Vamos buscar junto ao Prefeito a viabilidade da contratação de mais um Fiscal e um Biólogo para a Vigilância Sanitária”, garantiram.

colunas e blogs

o Vale quer saber

Após a delação premiada, os diretores da JBS devem:
Ser presos
Ficar livres


Escritório Comercial S. S. do Caí:
Avenida Dr. Bruno Cassel, 179
Fone / Fax: (51) 3635-1900

Escritório Comercial Montenegro:
Rua Oswaldo Aranha, Via Verde, 1467
Fone / Fax: (51) 3632-9680

Administração:
Rua Fato Novo, Nº 11
Fone / Fax: (51) 3635-1428

Contato
Todos os Direitos Reservados | Jornal Fato Novo | Vale do Caí | RS | Por Nigma Agência Digital